• institutodocoracao

Ceia de Natal reúne vilões à saúde do coração

É tradição no Natal a ceia repleta de alimentos calóricos, ricos em gordura e açúcar. Podem ser gostosos, mas fazem mal ao corpo, em particular, ao coração, alertam os cardiologistas do Incor Rio Preto.


Os riscos são ainda maiores para a pessoa que possui restrição alimentar ou tem doença cardíaca, diabetes ou colesterol alto.


Muitos pratos têm excesso de sódio e açúcar como, por exemplo, o famoso e sempre presente peru. É considerado uma carne magra, mas o comercializado com tempero pode ultrapassar o limite de dois gramas de sódio indicado por dia, o que contribui para elevar a pressão arterial.


Outros vilões são os embutidos, como o bacon e a carne de porco, ricos em gorduras saturadas. Todos sabemos que estão associados à obesidade, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares.


Evite também frituras e maioneses e dê preferência a alimentos menos calóricos como saladas, legumes, frutas e carnes magras.


Doces

Assim como o sal (sódio), o excesso de açúcar é o caminho para o diabetes, obesidade e aumentar o nível de triglicérides, fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.


O diabetes favorece a obstrução das artérias.


Recomenda-se o consumo de cerca de 25 gramas de açúcar por dia ou seis colheres de chá.


Alguns panetones podem ter até 20 gramas de açúcar e a rabanada, 10 gramas.


Álcool com moderação


O momento de euforia e comemoração é um convite ao exagero no consumo de bebidas alcoólicas. Não bastasse estar sujeita a passar mal e à ressaca no dia seguinte, a pessoa que bebe muito corre risco de ter problema cardiovascular.


Apenas 1 mililitro de álcool contém 7 quilocalorias (kcal), podendo aumentar o risco cardiovascular quando consumido em excesso.


O consumo de bebida alcoólica deve ser feito com moderação e responsabilidade. Uma boa dica é intercalar um copo de bebida com um de água ou, até mesmo, de suco e se alimentar ao longo da noite. Dessa forma, a absorção de álcool pelo organismo torna-se mais lenta.

35 visualizações0 comentário